Home » Politica

Cada homem rico, abastado, custa centos de infelizes, de miseráveis.

15 Outubro 2011 Não Commentado

Antonio CasteleiroEste ilustre Português(Almeida Garrett), assim como tantos outros, antes e depois, fizeram ouvir a sua voz.

Passados dezenas e centenas de anos, continuamos á procura de um rumo mais justo.

Continuamos na mesma.

Submissos… com muitas diferenças sociais….

Na realidade os culpados somos nós. O POVO.

É tempo, já á muito tempo que é tempo de dizer basta.

Não podemos continuar a eleger os políticos da mesma política. Temos que ter a força em conjunto de dizer não. De mudar !!

Não é ridículo dizer “ vou votar no meu partido, neste ou naquele líder politico”, se estes não defendem os que trabalham, mas sim o capital, os grandes ordenados, as grandes reformas ???!!!  Sim, por que já foram colocados á prova e viu-se o resultado… Sempre as mesmas desculpas.

Devem ser julgados pelos tribunais civis e populares  nas urnas.

Todos têm que provar de onde veio os muitos milhões que possuem… etc.

Tantas comissões, porque não existir uma para verificar a ostentação de riqueza?

Quem cabritos vende e cabras não tem …. ?????!!!!!

Continuar a apoiar esta gente, é ter uma certa responsabilidade no estado em que o País se encontra.

Se a negação em massa aparecer, os caminhos futuros terão que ser analisados.

Assim, enquanto o apoio popular se mantiver, o circo continua !!

O respeito deve ser recíproco!!

antonio casteleiro

==========
 

Os Pobres ( I )

” … ó geração de vapor e de pó de pedra, macadamizai estradas, fazei
caminhos de ferro, construí passarolas de Ícaro, para andar a qual mais
depressa, essas horas contadas de uma vida toda material, massuda e grossa
como tendes feito esta que Deus nos deu tão diferente daquela que hoje
vivemos. Andai, ganha-pães, andai : reduzi tudo a cifras, todas as
considerações deste mundo a equações de interesse corporal, comprai, vendei,
agiotai – No fim de tudo isto, o que lucrou a espécie humana ? Que há mais
umas poucas dúzias de homens ricos. E eu pergunto aos economistas políticos,
aos moralistas, se já calcularam o número de indivíduos que é forçoso
condenar à miséria, ao trabalho desproporcionado, à desmoralização, à
infâmia, à ignorância crapulosa, à desgraça invencível, à penúria absoluta,
para produzir um rico ? [ … ] cada homem rico, abastado, custa centos de
infelizes, de miseráveis. ”

Almeida Garrett, in ” Viagens na Minha Terra

( 1843 )

Deixe o seu comentario!

Coloque seu comentário abaixo, ou trackback a partir de seu próprio site. Você também pode subscribe to these comments via RSS.

Pode usar estas tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este é um weblog Gravatar-permitido. Para obter seu próprio - mundialmente reconhecido - avatar, por favor registe-se emGravatar.