Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. (antónio casteleiro)           SEJA SOCIAL          PARTILHE este blog           COMENTE individualmente os textos ou passe pelo LIVRO DE VISITAS ...


Home » Editorial

Nós e os outros!

5 Abril 2008 44.133 views Não Commentado

Antonio CasteleiroComo trabalhar bem com os outros? Como entender os outros e fazer-nos entender? Porque os outros não conseguem ver o que vemos, como nós vemos? Porque não percebem a clareza das nossas intenções? Porque interpretam erroneamente nossos atos e palavras e complicam tudo? Porque não podemos ser objetivos no trabalho e deixar problemas pessoais de fora? Vamos ser práticos e deixar sentimentos de lado…”

Quem já não pensou assim, alguma vez, em algum momento ou situação? Desde sempre, a convivência humana é difícil e desafiante.

Escritores e poetas, através dos tempos, têm abordado a problemática do relacionamento humano. Sartre, em sua admirável capacidade fez a famosa afirmação: “ O inferno são os outros. ”

Estamos realmente condenados a sofrer com os outros? Ou podemos ter esperança de alcançar uma convivência satisfatória e produtiva? Pessoas convivem e trabalham com pessoas, isto é, reagem às pessoas com as quais entram em contacto: comunicam-se, afastam-se, entram em conflito, competem, colaboram, desenvolvem afeto.

Interferências ou reações, voluntárias ou involuntárias, intencionais ou não-intencionais, que constituem o processo de interação humana, em que cada pessoa na presença de outra pessoa não fica indiferente a essa situação de presença estimuladora.

O processo de interação humana é complexo e ocorre permanentemente entre pessoas, sob forma de comportamentos manifestos ou não-manifestos, verbais e não-verbais, pensamentos, reações mentais e/ou físico-corporais.

Assim um olhar, um sorriso, um gesto, uma postura corporal, um deslocamento físico de aproximação ou afastamento constituem formas não-verbais de interação entre pessoas. Mesmo quando alguém vira as costas ou fica em silêncio, isto também é interação – e tem um significado, pois comunica algo aos outros. O facto de “sentir” a presença dos outros já é interação..

Temos que mudar, mas devagar, porque a direção é mais importante do que a velocidade.

Se abrimos uma porta podemos ou não entrar em uma nova vida. Podemos não entrar e ficar observando a vida. Mas se vencemos a dúvida, o medo, e entramos, damos um grande passo nessa sala, e vive-se. Mas, também, tem um preço.

São inúmeras outras portas que nós descobrimos. Às vezes, corre-nos mal, às vezes, curte-se. O grande segredo é saber quando e qual porta deve ser aberta.

A vida não é rigorosa. Ela propicia erros e acertos. Os erros podem ser transformados em acertos quando com eles se aprende. Não existe a segurança do acerto eterno.

A vida é generosa. A cada sala que se vive, descobrem-se tantas outras portas.

A vida enriquece quem se arrisca abrir novas portas. Ela privilegia quem descobre seus segredos e generosamente oferece afortunadas portas. Mas a vida também pode ser dura e severa.

Se nós não ultrapassar-mos a porta, teremos sempre a mesma porta pela frente. É a repetição perante a criação, é a monotonia monocromática perante a multiplicidade das cores, é a estagnação da vida…

Para a vida, as portas não são obstáculos, mas diferentes passagens…

 

Licença Creative Commons   Este trabalho de Antonio Casteleiro, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.antoniocasteleiro.com

   Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. Sobre o que escrevo, muitos dos que me lerem estarão de acordo e muitos outros discordarão. Não há mal nenhum nisso. Assim uns e outros saibam respeitar uma opinião contraria. Antonio Casteleiro.