Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. (antónio casteleiro)           SEJA SOCIAL          PARTILHE este blog           COMENTE individualmente os textos ou passe pelo LIVRO DE VISITAS ...


Home » Editorial

A nossa odisseia continua…

5 Janeiro 2008 43.777 views Não Commentado

Antonio CasteleiroEm desaceleração próprio de fim de ano, assisti a um consagrado filme, talvez o maior no género da ficção cientifica de todos os tempos, 2001-UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO” de Stanley Kubrick , um cineasta cuja GENIALIDADE MARCOU ÉPOCA.

Como já pretendia mais uma vez aqui falar do tempo, sinto que a obra inspirou-me ao tema, sendo impressionante com o passar dos anos, as mesmas obras de arte mudam o diálogo connosco.

Parece que a cada novo tempo, quando voltamos à literatura, à pintura, à música, ao cinema, ao teatro, enfim a todos os tipos de expressão artística, descobrimos novas mensagens.

Na verdade a arte não muda…nós é que mudamos…mudamos o foco, mudamos o olhar.

Não sei se acontece com frequência com as pessoas, mas vejo que ultimamente um sentimento estranho me invade todo o fim de ano.

A festa é linda! Brinda o passado, o presente e o futuro!

Porém sinto algo estranho, como se uma parte de mim ficasse definitivamente para trás, e uma certa insegurança que misteriosamente está por vir.

E nesse contexto de vida terrena, tempo passa a nos ser fundamental! A cada pôr de sol, despede-se um dia que não volta mais.

Sabemos que a alvorada será infalível, mas não sabemos quais as cores da próxima manhã.

No   réveillon, familiares e amigos reúnem-se para o desejo uníssono de felicidade, é o que todos queremos, em última análise, que tudo nos corra bem, que as auroras nos tragam brilho e claridade, pois ser feliz é qualidade intrínseca da vida, posto que A vida, é um estado de graça! Julgo-a um pedaço de tempo que nos é ofertado ” a nosso favor “. O que fizermos dele…responderemos primeiramente a nós!

Mas o tempo é medida relativa. O que existe na verdade, é o infinito da eternidade, e somos nós a passar no absoluto de nós mesmos, no entanto, também poderemos ser eternidade na fenomenologia da energia espiritual.

Talvez apenas tenhamos o livre arbítrio para nos conduzir por alguns caminhos.
O filme de Stanley Kubrick hoje passou-me exatamente essa sensação.

Talvez o filme de ficção mais REAL que já vi, depois de ter caminhado um espaço pela vida.

No auge dos meus vinte anos jamais poderia descrever esta sensação que hoje a obra me despertou.

Estamos em viagem. Uma linda viagem pelo tempo, sem conhecermos a hora de partida e tão pouco a hora de chegada.

Também desconhecemos o destino, e não temos sequer controle sob a nave que operamos.

Dotados pela Providência, com o mistério da  inteligência Natural, e a bússola do “livre arbítrio”  somos capazes de criar uma inteligência artificial paralela, mas talvez não suficientemente inteligentes para controlá-la.

Refiro-me à passagem da máquina confrontando o Homem, qual uma criatura contra o seu  criador.

Talvez seja exatamente isso o que já ocorre no mundo de hoje…De toda sorte…estamos em contagem regressiva.

Só não sei lhes dizer se é contagem DA VIDA, OU CONTAGEM PARA A VIDA.

Estamos provavelmente em trânsito duma transição.

Partimos das mãos de Deus, e a Ele retornaremos depois duma linda e breve viagem, porque nosso tempo é  absolutamente nada, quando comparado aos mistérios do cosmo, e à eternidade dos tempos!

Enquanto isso, desfrutemos! Preparemos a nave e alcemos aos céus nossos mais nobres pedidos:

Que a viagem seja tranquila, através dum espaço aonde caibam todas as diferenças…que embelezam a nossa valiosa e breve existência.

Sob a leveza da valsa de Johann Strauss… Feliz Odisseia a todos!

 

 

Licença Creative Commons   Este trabalho de Antonio Casteleiro, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.antoniocasteleiro.com

   Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. Sobre o que escrevo, muitos dos que me lerem estarão de acordo e muitos outros discordarão. Não há mal nenhum nisso. Assim uns e outros saibam respeitar uma opinião contraria. Antonio Casteleiro.