Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. (antónio casteleiro)           SEJA SOCIAL          PARTILHE este blog           COMENTE individualmente os textos ou passe pelo LIVRO DE VISITAS ...


Home » Editorial

Destempero Social…

20 Setembro 2008 41.294 views Não Commentado

Antonio CasteleiroAlgumas pessoas dão-se muito bem na vida, sobretudo no plano material, às vezes por razões que a própria razão desconhece. Existem aqueles “sortudos” que, embora não recebendo nenhuma herança significativa e jamais ganhando o totoloto ou euro milhões acumulam um património fabuloso. Sendo voz corrente que dinheiro atrai prestígio, uma coisa acaba sendo proporcional à outra.

Todavia, nem tudo é assim tão perfeito para esses “escolhidos”. Nascem, vivem e partem para outro plano absolutamente desprovidos de uma característica que pode ser comum entre os mais humildes e anónimos cidadãos, sem nada lhes custar: senso do ridículo.

Admite-se até que o poder e a fama em intensidade extrema sejam capazes de obnubilar a parte do cérebro responsável pelos estímulos ao discernimento e à autocrítica. Em consequência, deflagra-se uma descompensação mental, em grau patológico, impedindo o indivíduo de distinguir sentimentos nefastos como a vaidade exacerbada, o egoísmo, a megalomania, o egocentrismo etc., do estado de graça da bem-aventurança.

A psicopatia tem o agravante raro de contagiar quem for predisposto à doença. Os mais vulneráveis são os politiqueiros profissionais que insistem em conquistar o poder, recuperá-lo ou nele perpetuar-se a qualquer preço. Ainda mais se tiverem experiências “palacianas” bem-sucedidas no âmbito do interesse pessoal.

Há um princípio religioso a que já nos referimos, pelo qual para se alcançar a bem-aventurança não basta apenas deixar de fazer o mal; é necessário que se faça o bem. A bem-aventurança atribuída a um homem público, por exemplo, corresponde à felicidade plena de ser merecedor do respeito, da admiração, do carinho e do amor dos seus concidadãos.

Só será credor de deferências tão especiais quem de facto demonstrar lealdade à causa maior: a Política. Política com o “P” maiúsculo, sim! Assimilada e exercida de acordo com o conceito mais adequado e convincente: “Arte ou ciência do bem-comum”.

Identifica-se o vocacionado na medida em que ele faz da opção de vida um ato de entrega pessoal. Uma doação dos seus talentos, seus conhecimentos, suas experiências, sua crença e seus compromissos, sob os mais elevados padrões éticos, em benefício da coletividade. Com ênfase para os excluídos, vítimas das elites dominantes, órfãos de governos (em quaisquer níveis) omissos, coniventes e irresponsáveis. Transgressores contumazes de postulados do direito e da justiça, estabelecidos nos códigos dos homens, e de mandamentos contemplados na Lei de Deus.

Através dos tempos – reafirmamos por oportuno –, a história tem mostrado que, além da peculiar ojeriza em relação às classes oprimidas, uma razão prática leva os dominadores a manterem os menos favorecidos na eterna condição de subalternidade. Temem que avanços sociais significativos possam ameaçar-lhes a vida nababesca. Não fazem qualquer concessão que implique valorização àqueles que estão em estratos sociais inferiores.

Uma das razões da crueldade a que foram submetidos os primitivos cristãos estava nos princípios de igualdade pregados por Jesus. De maneira especial para os orgulhosos romanos, um escravo considerar-se na mesma condição do seu senhor era uma espécie de subversão ao status quo. Os cristãos só conseguiram ser aceitos a partir do terceiro século, com a criação de castas sacerdotais que exerceriam, também, domínios absolutos. Fenómenos económico-sociais e religiosos ofuscados na poeira do tempo, porém jamais apagados da história universal.

Bem-aventurado é aquele que proporciona condições de resgatar a dignidade dos marginalizados, para que se transformem em agentes ativos do processo socioeconómico. Em pessoas que, motivadas, reconquistem a consciência de suas potencialidades, seus direitos e deveres de cidadania.

Bem-aventurado é aquele que, honrando o mandato popular, eleva a imagem de qualquer cargo público neste País, hoje tão conspurcado, ante o desvio a que alguns se entregaram sequiosos de riquezas e poder que imaginam eternos.

 

Licença Creative Commons   Este trabalho de Antonio Casteleiro, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.antoniocasteleiro.com

   Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. Sobre o que escrevo, muitos dos que me lerem estarão de acordo e muitos outros discordarão. Não há mal nenhum nisso. Assim uns e outros saibam respeitar uma opinião contraria. Antonio Casteleiro.