Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. (antónio casteleiro)           SEJA SOCIAL          PARTILHE este blog           COMENTE individualmente os textos ou passe pelo LIVRO DE VISITAS ...


Home » Editorial

A precipitação de fazer julgamentos ou conclusões…

10 Janeiro 2009 44.497 views Não Commentado

Antonio CasteleiroMuito do que vivemos depende do modo como lidamos com a vida, com as pessoas e com o que nos acontece.

Se nosso olhar é rígido e inflexível, não perceberemos que tudo tem duas faces e que os opostos se complementam, sendo focos de uma mesma energia.

Assim é com o dia e a noite, com a alegria e a tristeza, com a saúde e a doença, com o amor e a raiva, com o bem e o mal, com a delicadeza e a agressividade, com a fraqueza e a força…

Se nos prendermos somente às aparências, muito da vida passará sem ser notado. Como crianças, perceberemos os factos como antes ouvíamos as histórias da carochinha, divididas que eram entre madrastas e fadas, entre vilões e príncipes, entre bandidos e mocinhos e iremos pela vida “carimbando” pessoas e factos como se fossem ruins ou bons.

É muito comum alguém sentir antipatia por quem é agitado, cobrador, questionador ou ansioso demais e, por outro lado, se aliar à pessoa que é criticada, aparentemente pacífica e calada. “A primeira deve ser culpada dos conflitos, vive reclamando, enquanto que a outra, coitada, só escuta…”

No meu viver, um pouco irreverente, pude vivenciar o quanto as aparências enganam e que tudo tem duas faces… À medida que se vai conhecendo a história das pessoas e o modo como interagem, é possível perceber que aquela pessoa calada e “pacífica” é, em muitos momentos, quem gera o conflito e sabota a saúde da relação. O comportamento “pacífico” pode ser deliberadamente provocador e frequentemente usado para esconder, não entrar em contacto com a situação ou desestabilizar o outro, que não se percebe ouvido e levado em conta.

A vida é cheia de polaridades. Só damos valor à saúde, quando estamos doentes, valorizamos muito o que não podemos ter, em lugar do que possuímos…

Lembro-me de um conto que, de um modo interessante, nos leva a reflectir sobre a dualidade dos factos:

“Conta-se que numa pequena cidade do interior, um grupo de pessoas se divertia com o idiota da aldeia. Um pobre coitado de pouca inteligência, que vivia de pequenos biscates e esmolas. Diariamente eles chamavam o bobo ao bar onde se reuniam e ofereciam a ele a escolha entre duas moedas – uma grande de 400 réis e outra menor, de dois mil réis.

Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos para todos.

Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e lhe perguntou se ainda não havia percebido que a moeda maior valia menos.

“Eu sei” – respondeu o não tão tolo assim – “ela vale cinco vezes menos, mas no dia em que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e não vou mais ganhar minha moeda.”

E, agora, a pergunta: Quais eram os verdadeiros tolos da história?

De acordo com a filosofia oriental, o Universo, em sua origem, tinha uma única força, que quando polarizava no sol e na lua, acabou por criar a primeira dualidade. Várias polarizações foram ocorrendo a partir daí: o sol e a lua vieram a gerar a luz e a escuridão; o calor e o frio; a actividade e a sonolência. Todos os seres vivos começaram a necessitar tanto de um quanto do outro para sobreviverem.

Sendo assim, é precipitado fazer julgamentos ou conclusões, sem um conhecimento mais profundo dos factos e das histórias pessoais. A verdade tem muitas faces e o que parece ser negativo, certamente também nos trará algo de positivo para aprender a viver melhor

Licença Creative Commons   Este trabalho de Antonio Casteleiro, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.antoniocasteleiro.com

   Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. Sobre o que escrevo, muitos dos que me lerem estarão de acordo e muitos outros discordarão. Não há mal nenhum nisso. Assim uns e outros saibam respeitar uma opinião contraria. Antonio Casteleiro.