Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. (antónio casteleiro)           SEJA SOCIAL          PARTILHE este blog           COMENTE individualmente os textos ou passe pelo LIVRO DE VISITAS ...


Home » Editorial

O medo amigo!

5 Julho 2008 44.301 views Não Commentado

Antonio CasteleiroJá cheguei a escrever e até conversar a respeito do medo. O sentimento que muitas vezes congela o nosso sangue nas veias, e nos dá energia de correr mais rápido que os carros de fórmula 1.

Eu tenho medos, todos temos medos. Todo ser vivo teme alguma coisa, sem isso não estaria vivo.

Devemos ter o medo como um amigo… Talvez o nosso melhor amigo, porque é ele que é o maior responsável pela manutenção da nossa existência, sem ele nós já poderíamos ter morrido durante a nossa vida.

É o medo que nos faz avaliar cada passo de nossas vidas… É ele que está presente antes e depois dos sucessos e problemas. O medo é aquele sentimento estranho… Ele é assustador e está sempre falando-nos de coisas de arrepiar… Coisas que nos dão medo, faz retirar o pé do acelerador, faz parar de beber, evitar uma briga, fechar um negócio furado, namorar…

Muitas vezes o medo é tão forte que deixamos de viver o momento. Ficamos como que congelados, praticamente sem condições de continuar.

Outras vezes, somos mais fortes e o vencemos, e quase sempre o motivo do medo acontece… de alguma forma, intensa ou não. Devemos fazer amizade com ele. Devemos ser amigos, confidentes… Devemos ouvi-lo, compreender seus motivos… Devemos argumentar os prós e os contras… Cada passo, cada negócio, cada momento que ele nos alertar…

O medo sempre foi nosso amigo, e cada vez mais está presente nos nossos dias.

Antes era porque poderíamos ferir-nos ou até morrer. Hoje temos medo de assaltos, de perder o emprego, de perder a pessoa amada, perder negócios, o café da manhã…ou seja, o medo hoje está mais baseado na perda do que verdadeiramente no perigo de vida.

Devemos deixar de lado o medo exagerado, e aprender a usá-lo como um consultor, um conselheiro, não como nosso mestre chefe, algoz.

Devemos avaliar sempre a intensidade da origem do medo, para antes tomar a decisão acertada…

Não tenhamos medo de ser Feliz…  Não tenhamos medo de Amar… Não tenhamos medo do nosso Prazer… Do Momento… Da Oportunidade…

O Medo deve ser visto como aquele amigo íntimo, de família, que você pode contar às 3h da madrugada chuvosa.

Licença Creative Commons   Este trabalho de Antonio Casteleiro, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.antoniocasteleiro.com

   Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. Sobre o que escrevo, muitos dos que me lerem estarão de acordo e muitos outros discordarão. Não há mal nenhum nisso. Assim uns e outros saibam respeitar uma opinião contraria. Antonio Casteleiro.