Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. (antónio casteleiro)           SEJA SOCIAL          PARTILHE este blog           COMENTE individualmente os textos ou passe pelo LIVRO DE VISITAS ...


Home » Editorial

A sociedade no presente e futuro

20 Agosto 2011 10.671 views Não Commentado

Antonio CasteleiroQuanto mais diversificadas e numerosas forem as relações entre as pessoas, maior será a possibilidade de crescimento individual, dado que a descoberta pessoal tem de ser feita mediante o confronto com outras personalidades.

A actualidade, nas sociedades mais desenvolvidas, alarga esse leque de experiências, revelando com isso um maior impulso evolutivo, quando transfere para os grupos sociais e instituições, aquilo que anteriormente era incumbência estrita das famílias. Embora possa parecer uma perda de qualidade de vida, a necessidade de recurso à integração institucional dos idosos e das crianças, impele as pessoas a um convívio mais alargado do que o teriam se permanecessem no estreito ambiente doméstico, onde apenas conheceriam os poucos elementos que o compunham.

Claro que esta mudança de paradigmas e modos de funcionamento envolve sofrimento, dado que se tem de ultrapassar o status quo, abandonando a segurança do conhecido para o novo e desconhecido.

A entrada precoce da criança na creche ou no jardim de infância pode ser assustadora, mas será também uma grande oportunidade de crescimento pessoal e de constituição de reservas positivas para o futuro, dada a profusão de interacções e experiências ser acentuada, se comparada com a que lhe seria proporcionada caso a criança permanecesse em casa. Estes contactos alargados desenvolvem capacidades no cérebro em formação, que serão úteis na vida adulta.

Também o idoso, que se vê perante a alternativa de ficar entre quatro paredes, sujeito a um isolamento doloroso – já que a família alargada quase desapareceu das nossas sociedades – ou tentar corajosamente aventurar-se num ambiente estranho onde outras pessoas em idênticas circunstâncias se reúnem, está a ousar e com isso evolui. O conhecimento que o contacto com a ampla variedade de pessoas proporciona, serve também o propósito da evolução.

Não é, pois, tão catastrófico como à primeira vista poderá pensar-se este novo panorama, resultante da desagregação da família tradicional, e a resistência demonstrada decorre muito da passagem do modelo antigo para o actual. As pessoas, habituadas a viver em núcleos de dimensão reduzida, e fechados em si próprios, vêem-se forçadas a enfrentar o mundo estranho, o que assusta e faz sofrer. No entanto, com o andar do tempo, a proliferação de experiências colectivas e sociais será cada vez maior, e a entrada em grupos variados será frequentemente registada pela generalidade da população.

A estratificação por grupos etários que presentemente divide as pessoas entre si, terá, também, com o tempo, tendência a desaparecer, dado que a vida social, em todos os sectores, será de molde a fazer confluir as pessoas em actividades que são comuns a todas as idades, denotando com isso também uma maior proliferação de experiências, que é sinal de evolução.

Atendendo a que a globalização aponta para a localização, como contraponto necessário ao equilíbrio das sociedades, futuramente as unidades económicas de carácter familiar e inseridas em núcleos pequenos serão muito mais numerosas do que as que agora existem, dada a facilidade de utilização das novas tecnologias em âmbito restrito e no trabalho a partir de casa.

Aqui, as crianças, integradas em famílias, terão um papel a desempenhar na produção comum, que complementará a sua formação escolar, sendo dela parte integrante. A inserção na sociedade será, assim, facilitada, uma vez que desde cedo se percebe o que é necessário para que a mesma vá funcionando, evitando-se além disso as dificuldades advindas de um contacto tardio com o mundo laboral e profissional, que agora acontece, depois que terminam os estudos preparatórios.

Por outro lado, a formação escolar acompanhará todos os cidadãos, ao longo da sua vida, dado o interesse pelo conhecimento tender a ser cada vez maior, independentemente da sua aplicação prática. Então, os estabelecimentos de ensino agregarão no seu seio elementos de todas as idades.

A vida de grupo incrementar-se-á, pois, nas gerações futuras, que deixarão de ficar confinadas às suas famílias e amigos restritos, passando a relacionar-se com os elementos dos conjuntos por onde passam, constituídos na base de interesses comuns, que se definirão a partir daquilo que cada pessoa for descortinando na sua vida pessoal e que considere importante. Dado que a intervenção pessoal será tendencialmente cada vez mais autónoma e criativa, a descoberta de interesses próprios será um investimento natural, originando a constituição de iniciativas de toda a ordem.

Em suma, à medida que o mundo avança, maior será a complexidade de experiências a que a colectividade se vê sujeita, em resultado de uma sinergia de factores, de natureza individual e social, que se relacionam entre si, incrementando-se reciprocamente.

Licença Creative Commons   Este trabalho de Antonio Casteleiro, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.antoniocasteleiro.com

   Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. Sobre o que escrevo, muitos dos que me lerem estarão de acordo e muitos outros discordarão. Não há mal nenhum nisso. Assim uns e outros saibam respeitar uma opinião contraria. Antonio Casteleiro.