Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. (antónio casteleiro)           SEJA SOCIAL          PARTILHE este blog           COMENTE individualmente os textos ou passe pelo LIVRO DE VISITAS ...


Home » Editorial

Arrogância e incompetência!

3 Novembro 2007 43.762 views Não Commentado

Antonio CasteleiroQuem na vida não conhece gente arrogante e má?

Acima da capacidade intelectual e profissional, está a capacidade de reconhecer que nenhuma verdade é absoluta.

Ter a humildade em admitir o próprio erro, mesmo que isto represente uma situação adversa, é digno e aproxima-nos das outras pessoas.

O segredo do sucesso, é ambicionado por todos. A chance de obter sucesso é inversamente proporcional ao número de inimigos que você cria. Ter confiança em si próprio, sim. Ser arrogante, JAMAIS.

Não confunda arrogância com coragem, ousadia liderança ou segurança.

Os arrogantes somam muitos fracassos, mas todos sempre são justificados e cada justificativa incabível, gera outro fracasso e o ciclo nunca é interrompido.

O arrogante tem características facilmente notadas:

– Jamais se considera arrogante. Em sua opinião, ele apenas defende suas posições e princípios

– Quando fracassa, a culpa é dos outros ou a sorte não o acompanhou

– Cobiça o sucesso dos outros, mas é claro que não assume isso, “afinal ele é a personificação do sucesso”

– Quando reconhece um erro, o que é muito raro, justifica-o mentindo ou omitindo detalhes

– Exige ser ouvido, mas não dá ouvidos a ninguém

– Quando solicita opinião, é apenas um meio de autoafirmação. Seu desejo é ser aprovado, caso contrário desconsidera a opinião dada

– Humilha e destrata quem o desagrada ou tem opinião diferente da sua

– Acha que tem controlo sobre tudo, inclusive sobre as pessoas

– Tem solução para os problemas alheios, mas jamais consegue resolver os seus

– A sua palavra obrigatoriamente prevalece sobre qualquer outra.

– Sempre enaltece suas supostas qualidades

– No auge de sua falsa modéstia, diz que seu maior “defeito” é ser perfeccionista

– Critica todos, porém desconhece o que seja autocrítica

– É egoísta, mas exige solidariedade das pessoas

– É mentiroso e acredita na própria mentira

– Não é respeitado e sim, temido

– Dificilmente agradece por um favor recebido, pois jamais reconhece que o recebeu

– Considera-se o melhor amigo, o melhor conselheiro, o melhor filho, o melhor pai, o melhor marido, o melhor amante, o melhor profissional, o melhor sujeito e por isso raramente muda de atitude

– Passa a vida pensando que é querido por todos, quando na verdade é odiado por muitos

– Tem uma vida infeliz ou medíocre, achando-se a pessoa mais feliz do mundo

– O arrogante termina a vida se arrependendo tarde demais por tudo o que causou aos outros e a si mesmo

Às vezes, agindo com arrogância, algumas pessoas conseguem o que querem a curto prazo, mas a longo prazo perdem o que há de mais precioso na vida; a amizade, o respeito e o carinho das demais pessoas. O indivíduo “tem tudo na vida”, mas não se sente feliz.

O arrogante é cercado por uma nuvem negra de problemas que afecta todos aqueles que por uma infelicidade, estão ao seu lado. Distancie-se dele!

“As pessoas de grande arrogância não possuem integridade, vacilando e mudando de opinião conforme a situação”.

O arrogante certamente considerará este texto, como sendo arrogância de quem o escreveu ou simplesmente continuará justificando seus atos e tentando mostrar qualidades que não tem.

 

 

Licença Creative Commons   Este trabalho de Antonio Casteleiro, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.antoniocasteleiro.com

   Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. Sobre o que escrevo, muitos dos que me lerem estarão de acordo e muitos outros discordarão. Não há mal nenhum nisso. Assim uns e outros saibam respeitar uma opinião contraria. Antonio Casteleiro.