Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. (antónio casteleiro)           SEJA SOCIAL          PARTILHE este blog           COMENTE individualmente os textos ou passe pelo LIVRO DE VISITAS ...


Home » Editorial

Hipocrisia…por vezes o principio da burrice!

14 Junho 2008 37.612 views Não Commentado

Antonio CasteleiroA forma como muita gente prefere enfrentar o mundo, diante das adversidades que nos impõem por razão de conflitos mal resolvidos, ou ainda quando determinada situação convém que seja contornada da forma, digamos, literalmente hipócrita.

A construção do modelo social é feita de períodos onde, para muitos, é mais cómodo acovardar-se diante de negativas e omissões a ter que assumir posturas, arrependimentos e tentar consertar deslizes, não raramente provocados pelo excesso do exercício da arte de fingir, quando não fugir…

Costuma-se dizer que determinado sujeito é hipócrita quando recomenda um tipo de ação e ele próprio pratica algo bem distinto. Com efeito, soa hipocritamente a afirmação de que “nosso compromisso é com o povo mais humilde” proferida por um cidadão investido de poderes outorgados pelo público diante de uma bela paisagem, a bordo de um iate luxuoso, em alto mar, saboreando guloseimas diferenciadas e bebericando os mais finos sabores… bem distante do “povo mais humilde”.

Da mesma forma, pessoas que têm satisfações a dar para o chamado núcleo formador de opinião do conjunto social, acham mais confortável esconder-se diante de um “não é isso que quero para mim” a buscar as verdadeiras razões pelas quais se tenha chegado a essa situação, como forma, inclusive, de superar conflitos e adversidades.

Na verdade, é possível deduzir que a hipocrisia é parente muito próxima da ira, ainda que exercitada por caminhos opostos. Um sujeito irado, com raiva de algo ou alguém, usa a forma mais hipócrita possível para tentar dissimular o sentimento do momento. Passa a praticar atos os quais ele próprio sempre abominou, ou fingia antes abominar, para superar – ou esconder-se – da realidade iminente.

Embora essas situações sejam bastante comuns nos meios políticos, a capacidade fundamental da inteligência humana, da qual dependem todas as outras, como dom de discernir o essencial do acidental, o importante do irrelevante, deve consistir num feliz ajuste entre o foco da atenção e a estrutura do objeto considerado, seja ele uma coisa ou ente, um problema, uma afirmação ou um estado de coisas.

É verdadeiro que o homem inteligente vai direto ao nexo central que o objeto, por si mesmo, oferece à sua visão, enquanto o sonso ou negligente fica saltando em vão de um ângulo a outro, ou, o que é pior, se agarra ferozmente a certas perspetivas costumeiras, deformando o objeto para que se amolde a seus hábitos mentais e crendo apreender uma essência quando não capta senão uma ilusão auto projetiva.

Daí às enormes dificuldades que todos temos em superar pequenos obstáculos, preferindo a opção simplista de transformá-los em enormes barreiras, preferencialmente construindo muralhas intransponíveis, nas quais sejamos capazes de nos esconder, enquanto a vida passa, a realidade ganha novos contornos e o que era para ser perspetiva acabe por se transformar em expectativa.

Inatingível, na maioria das vezes. É o princípio da burrice.

Licença Creative Commons   Este trabalho de Antonio Casteleiro, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.antoniocasteleiro.com

   Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. Sobre o que escrevo, muitos dos que me lerem estarão de acordo e muitos outros discordarão. Não há mal nenhum nisso. Assim uns e outros saibam respeitar uma opinião contraria. Antonio Casteleiro.