Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. (antónio casteleiro)           SEJA SOCIAL          PARTILHE este blog           COMENTE individualmente os textos ou passe pelo LIVRO DE VISITAS ...


Home » Natal

Que seja um Natal Verdadeiro!

1 Dezembro 2007 47.094 views Não Commentado

Antonio CasteleiroQuando o mundo atravessa momentos tão difíceis, quando irmãos nossos de todos os cantos sofrem e gemem, açoitados pela dor, pela fome, pelo medo, sendo vítimas de uma terrível violência – a falta de Amor – nos questionamos seriamente sobre este tipo de Natal que vimos festejando desde que nascemos.

Natal de pinheiros enfeitados por bolas coloridas e muito dourado, que tem como símbolo um Pai Natal bem nutrido, gordo e feliz, que é esperado nas casas das crianças que têm posses, com os presentes por elas sonhados e que se esquece das crianças pobres, que mais uma vez ficam sem ter os seus desejos satisfeitos… nem neste dia – o dia em que comemoramos o nascimento de Jesus, nosso símbolo de Amor.

E aí eu me pergunto, se já não estaria na hora de mudarmos isto?

Se, agora que já compreendemos melhor o que se passa, não deveríamos romper com as tradições, com o conformismo de viver imitando sempre o que tem sido, para começar a agir de forma mais coerente e festejar um Natal mais cristão?

Pensemos: Jesus é o homenageado hoje.

Não gostaria que nós fizéssemos num dia como esse, o que nos ensinou? Ajudar aquele que tem menos que nós, a perdoar aos que nos ofenderam, a amar incondicionalmente todas as criaturas.

Se posso dar presente a meus amados, por que não reservar um pouco para dar aos que talvez não tenham sido nunca objeto do amor de alguém?

Se posso ter uma mesa repleta das comidas de que gosto, por que não lembrar de levar alguma coisa, para aqueles que talvez ainda não se tenham alimentado hoje?

Será justo que o Príncipe do Amor só seja festejado nas casas dos que têm dinheiro?

Logo Ele, que veio para os humildes, os doentes, os fracos, os caídos?

Bem sei, caro leitor/a que concorda comigo – precisamos mudar.

Se não podemos transformar o mundo todo, que modifiquemos apenas o nosso Natal em família.

Neste Natal novo, vamos comprar alimentos para os necessitados.

Vamos levar um presente bonito para uma criança pobre, pelo menos para uma e vamos esquecer tantos gastos desnecessários que fazemos, comprando coisas supérfluas que não nos melhoram em nada a vida.

Usemos esse dinheiro para aliviar, um pouco que seja, a dor dos que sofrem, dos que estão sós e com fome.

Cada família pode escolher um local para ajudar, uma pessoa para presentear.

O importante é que este ano a gente amplie um pouco mais o nosso amor e se lembre de alguém que precise mais do que nós.

Assim, tenho a certeza de que Jesus será o Pai Natal do nosso Natal, sem roupas vermelhas, sem gorro, não tão gordo e bochechudo, mas trazendo-nos Paz, Serenidade e Alegria!

Se leram e gostaram este texto, por favor divulgam-no, pois ainda temos tempo…vamos tentar promover um Natal cheio de Luz para aqueles que talvez nunca tenham sabido o que é isso.

As mudanças todas são abençoadas, no reinar deste Milénio, para uma humanidade que já se cansou de tantos erros e esperar pela Paz!

Fim á hipocrisia.

Paz pela Paz

 

Licença Creative Commons   Este trabalho de Antonio Casteleiro, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.antoniocasteleiro.com

   Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. Sobre o que escrevo, muitos dos que me lerem estarão de acordo e muitos outros discordarão. Não há mal nenhum nisso. Assim uns e outros saibam respeitar uma opinião contraria. Antonio Casteleiro.