Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. (antónio casteleiro)           SEJA SOCIAL          PARTILHE este blog           COMENTE individualmente os textos ou passe pelo LIVRO DE VISITAS ...


Home » Editorial

As minhas memórias…

26 Julho 2008 43.296 views Não Commentado

Antonio CasteleiroVamos vivendo… juntando os anos, mês, dias, horas, minutos e os segundos na grande estante de memórias… Quanto mais velhos ficamos, mais ficamos relembrando-nos dos bons momentos, das aventuras e dos momentos de emoção.

Toca uma música e lá vem uma enxurrada de memórias. Lembramo-nos de um livro, um quarto de hotel e algum tempo remoto da nossa vida e quando calculamos o tempo, já se passaram mais de 15 anos… Vuchhh… o tempo voou…

A vida é feita de pequenos momentos gravados em nossa memória. Precisamos deles para acreditar que a nossa vida teve um certo valor e ainda o terá. Precisamos acreditar e até confirmar que realmente existimos e a nossa memória deve existir para isso.

Também é nossa memória que nos faz aprender ou pelo menos relembrar nossas aflições ou momentos menos bons, aqueles que NÃO gostaríamos de lembrar, somente gostaríamos de esquecer, mas a memória também está ai para isso… para nos lembrar e sempre relembrar que NÃO devemos mais fazer novamente.

São momentos bons e emocionantes que sempre procuro colecionar. O resto está lá também, mas NÃO fico relembrando de todos os momentos menos bons. A vida tem que ser boa de viver e para que vou ficar lembrando de factos menos bons? O chato é que existe gente que faz isso, acho que devem até ter o prazer de se Auto torturar, lembrando de uma certa traição, sacanagem ou qualquer coisa que não vale a pena lembrar, mas essas pessoas amargas vivem assim. Eu comparo como, aquela pessoa que tem um sapato apertado, mas não o larga ou ainda, coloca alguma pedra para aumentar a dor.

Minhas memórias estão lá, prontas para serem recuperadas… ou quase prontas, porque algumas eu procuro lembrar e NÃO lembro mesmo, mesmo quando pessoas dizem que fiz, falei ou vivenciei algumas partes. Lembro de algumas coisas um tanto embaçadas, mais nada que isso.

Infelizmente gostaríamos que a realidade do filme Paycheck fosse verdade, onde uma pessoa muito boa em engenharia reversa, é contratada para fazer grandes coisas e depois apagam a memória dela junto com o pagamento. Essa pessoa NÃO se lembra de nada mesmo. Quem é que não tem memórias que gostaria de apagar? Algum momento menos bom ou ainda um bom pedaço da nossa vida?

Somos o resultado de nossas memórias. Nossas atitudes do hoje, são resultado do que vivemos e concluímos a cada momento. Todas as conclusões são acrescentadas no grande banco de dados de nossas ações futuras, onde procuraremos de forma consciente ou não para continuar vivendo.

Tenho memórias e a todo momento estou relembrando. Não que eu queira sempre, penso que deve ser a minha capacidade de observar os detalhes e com isso fazer comparações. Basta ouvir um som, um cheiro e pronto, já tenho muitas memórias vinculadas e com isso, mais conclusões também.

Vivo com elas… e você? Não sou uma pessoa para dizer que tive uma vida excitante ao ponto de querer escrever um livro com minhas memórias. Não mesmo, mas eu vivo com todas elas. Orgulho-me da vida que eu tive até agora e sei que continuarei orgulhando do que eu faço, vivo e procuro ser.

A cada novo passo de minha vida, estou sempre relembrando e as vezes inconscientemente procurando referências nas minhas memórias. Não faço comparações, mas elas sempre aparecem de forma automática e instantânea. Estou indo ao um encontro de negócios… Bum… sou afogado em memórias de encontros de negócios parecidos com o que estou para ter.

Procuro viver com essa forma de relembrar e penso que todos as têm a sua também. O relembrar pode também trazer um certo grau de dor, tristeza, quando nos lembramos de factos menos bons no passado, como relacionamentos passados, negócios errados, acidentes etc. Não podemos deixar-nos tomar pelo pavor e deixar de viver. Nenhum dia é igual ao outro, todos são diferentes e mesmo que seja parecido, podemos mudar o resultado final. SEMPRE poderemos.

Nas minhas últimas memórias relembrei momentos de quando eu andei de moto pelo México, do Golfo a Taxopan ou Acapulco, ou nos E.U.A, pelos caminhos da Califórnia, Texas, S.Francisco e tantos outros, e quando eu sentava no chão devido ao cansaço ou com algumas folhas de papel e ficava escrevendo.

Agora está tocando o New Order, e lembro-me de vários momentos onde eu ia com meus amigos a vários bares.

Momentos atrás estava ouvindo Auto Ban do Kraftwerk, e lembrou-me quando eu passei uns dias em um hotel em Los Angeles e estava lendo um dos livros de Duna.

O primeiro beijo quando eu tinha 12 anos, meus lábios ainda formigam só em lembrar a emoção, e com essa memória lembro-me de outros.

Cada memória que eu lembro me faz sentir mais forte e bem vivido. Cada boa memória me dá a certeza que tudo foi válido e que vale continuar firme e forte para o desconhecido futuro. Pode ser um sorriso, o soprar do vento, o cheiro do papel do livro ou mesmo o som da chuva caindo. São elas que me fazem ser o que sou, por isso NÃO posso viver ou até querer viver sem elas.

Licença Creative Commons   Este trabalho de Antonio Casteleiro, está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em www.antoniocasteleiro.com

   Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Este blog é um espaço de análise e opinião. Da minha análise sobre factos e coisas do dia-a-dia, e da opinião que à cerca delas vou construindo. Sobre o que escrevo, muitos dos que me lerem estarão de acordo e muitos outros discordarão. Não há mal nenhum nisso. Assim uns e outros saibam respeitar uma opinião contraria. Antonio Casteleiro.